Governo Provincial do Zaire
Ambiente

SOYO VAI TER ZONA DE CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MARINHOS

A informação foi avançada pela Ministra do Ambinete, Paula Cristina Francisco Coelho, durante a visita que efectuou nos dias 4 e 5 deste mês, no municipio do Soyo.

A titular da pasta do ambiente que trabalhou durante 48 horas na vila petriolifera do Soyo, anunciou a criação de área de conservação de recurosos marinhos, após ter constactado o potencialidades do ecossistema da localidade, isto é, no final de um passeio turistico no canal fluvial do rio Zaire, tendo apreciado os mangais no município do Soyo, província do Zaire.
A governante, que durante a visita esteve acompanhada com anfitrião, o governador provincial, José Joana André “ Joanes”, admitiu que o mesmo reúne requisitos que o habilita a concorrer para a sua certificação internacional como área de conservação de recursos aquáticos.
Em declarações à imprensa para balancear a sua visita de 48 horas ao Soyo, a titular da pasta do Ambiente assegurou empenho para uma maior conservação destes e de outros recursos florestais da região.

Revelou ter sido feito um trabalho de geo-referenciação a respeito que foi enviado ao Instituto Internacional da Conservação da Natureza visando a sua certificação.

Avançou que a categoria a ser atribuída à futura área de conservação por este organismo internacional terá em conta, para além da beleza, o estado intacto natural, a virgindade dos mangais, assim como os aspectos referentes à preservação das espécies aquáticas que neles habitam e deles dependem.

Para a ministra, há ainda parâmetros a serem observados e preenchidos para se chegar naquilo que o questionário internacional exige para a desejada certificação, que passam pelo engajamento das comunidades locais na assunção de boas práticas da preservação de todo o património ambiental da região.

Falando mais concretamente sobre a sua visita de trabalho, Paula Cristina Coelho disse ter servido para constatar no terreno o grau de implementação do pacote legislativo do seu Ministério sobre a descentralização e capacitação em matéria de gestão de resíduos.

“A nossa visita ao município do Soyo cingiu-se no trabalho de avaliação sobre o estado geral do ambiente. Estamos no período de implementação de vários programas a nível do sector, com destaque às questões das alterações climáticas, naquilo que advêm dos planos de adaptação e vulnerabilidade da costa tendo em conta o índice da subida do nível do mar”, reiterou.

Por outro lado, realçou que durante a sua estada foi possível interagir com algumas empresas e unidades industriais, sobretudo, as ligadas ao ramo petrolífero em matéria de tecnologias alternativas para as fases de controlo de gases de refrigeração amigos do ambiente como o hidrofluorcarboneto (HFC).

Acrescentou que este trabalho visou aferir se as mesmas aderiram e cumprem a recomendação de Kigali (Ruanda) e o Protocolo de Montreal (Canadá) sobre os benefícios destas tecnologias alternativas menos poluentes do ambiente.

Explicou que a Emenda de Kigali e o Protocolo de Montreal previnem a emissões de gases de efeito estufa (GEE) à atmosfera e fortalecem o combate às alterações climáticas, além de contribuir para o alcance dos objectivos do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas.

Por outro lado, prosseguiu a ministra, foram passadas em revista, durante a visita, as medidas que estão a ser tomadas atinentes ao licenciamento ambiental, aos termos de cumprimento da compensação que deve ser feita não só em valores monetários, mas também por meio de programas que possam gerar mais renda e empregabilidade para jovens a nível da província.

O município do Soyo localiza-se no litoral da província do Zaire, cuja costa serve de desembocadura do rio Zaire ao Oceano Atlântico. Este rio é um dos maiores de África e do Mundo, com centenas de ilhas ao longo do seu percurso com inúmeras potencialidades em espécies aquáticas, animais e florestais.

Fonte: ANGOP

Galeria de Imagens